Apresentação

Trailer de anúncio das Jornadas Nacionais de Arqueologia 2019

As Jornadas de arqueologia na Europa

Desde 2010 que o Ministério da Cultura delega no Inrap (Institut national de recherches archéologiques préventives) a coordenação e a promoção das Jornadas nacionais de arqueologia (JNA).

Durante as JNA, todos os terceiros fins de semana de junho, todos os intervenientes do domínio da arqueologia mobilizam-se para dar a conhecer ao público os tesouros do património e os segredos da disciplina.

Em 2019, as JNA vão festejar o seu décimo aniversário. E, para partilhar essa 10.ª edição com um público mais alargado, o Inrap abre as jornadas a todos os países europeus.

São três dias que servem para sensibilizar e familiarizar o público europeu sobre a arqueologia e os seus desafios. Através de eventos originais e festivos, as famílias, os especialistas, os estudantes, os amantes da história ou os simples curiosos podem, assim, descobrir o património arqueológico. Fazem parte do vasto programa proposto por ocasião das Jornadas de arqueologia na Europa visitas a locais abertos ao público a título excecional (locais de escavação, centros de investigação, reservas de coleções arqueológicas, etc.), trocas de impressões com os intervenientes de arqueologia (arqueólogos, investigadores, etc.) que virão a encontrar-se com o público para apresentar a sua profissão e as atividades lúdicas e pedagógicas (iniciações à escavação, demonstrações, oficinas, etc.).

Vídeo: oficina de iniciação à ciência da cerâmica para estudantes; os estudantes escavam e desenterram fragmentos de cerâmica que têm de organizar para descobrir um objeto.

O Instituto Nacional de Pesquisas Arqueológicas Preventivas (Inrap)

Criado pela lei de 2001 relativa à arqueologia preventiva, o Instituto Nacional de Pesquisas Arqueológicas Preventivas (Inrap) é o único operador público competente para todo o território e todos os períodos, desde a pré-história até à atualidade.

Herdeiro de mais de 30 anos de experiência, intervém em todos os tipos de estaleiros: urbano, rural, subaquático, grandes traçados lineares. A sua missão é proteger, através do estudo, o património arqueológico afetado pelas operações de ordenamento do território.

O Inrap realiza anualmente cerca de 1800 diagnósticos arqueológicos e 250 escavações em parceria com organismos privados e públicos, em França e nos respetivos territórios ultramarinos. Relativamente aos estaleiros, o Inrap encarrega-se da exploração dos resultados e da sua disseminação junto da comunidade científica. Mais de 350 investigadores do Inrap colaboram com o CNRS e as universidades.

O instituto contribui para o desenvolvimento dos conhecimentos arqueológicos, em articulação com estas instituições. Tendo em conta o seu número de investigadores, a escala das suas intervenções e a magnitude dos dados recolhidos, o instituto desempenha o papel de dinamizador em inúmeros domínios, nomeadamente aqueles em que a arqueologia preventiva renovou profundamente os conhecimentos: arqueologia dos povoamentos e dos movimentos das populações, regiões abordadas na sua globalidade, arqueologia do estabelecimento do homem no seu ambiente, estudo dos fluxos económicos, etc.

As missões do Inrap incluem igualmente a disseminação dos conhecimentos arqueológicos junto do público. A este respeito, organiza inúmeras iniciativas de valorização, na maioria das vezes em colaboração com urbanistas, por exemplo: abertura de estaleiros ao público, exposições, publicações, produção audiovisual e colóquios.